«

»

abr 08

Viajar para o Marrocos: um país mais acessível do que você imagina!

Entrada do mercado de peixes de Essaouira

Entrada do mercado de peixes de Essaouria. Para os fãs da série Game of Thrones, essa cidade foi um dos cenários, onde a Khaleese recrutou seu exército de invencíveis!

Quando queremos dizer que estamos longe nas distâncias ou até nos pensamentos, usamos, no Brasil, a expressão “tô prá lá de Marrakesh”, imortalizada na canção “Qualquer coisa”, do Caetano Veloso. Acredito que a menção à cidade marroquina vem do fato de, nosso imaginário brasileiro, o mundo árabe ser tão longínquo tanto culturalmente quanto fisicamente. Só que não. O objetivo da conversa de hoje é apresentar esse mundo de uma maneira mais leve, desconstruir estereótipos, aproximarmo-nos mais dele, e nada melhor que começarmos a aventura com uma viajem para o Marrocos, um dos países árabes mais easygoing de se visitar. Além disso, Marrakesh é bem ali!

Mapa do Marrocos por regiões

Mapa do Marrocos por regiões

Primeiramente, vamos nos situar, porque muita gente se esquece de que o Marrocos faz parte da grande Mama África, e fica bem no norte do continente, pertinho de Portugal e da Espanha. Inclusive, em árabe, o país é conhecido “Jzirat el-Maghreb”, que significa ilha do oeste, circundado pelo oceano Atlântico, mar Mediterrâneo e pelo mar de areia do maior deserto do mundo, o Saara. Por conta dessa ótima posição estratégica, todo mundo já invadiu o Marrocos – portugueses, espanhóis, franceses, ingleses, alemães, árabes, romanos, cartagineses, bizantinos, vândalos etc.-, deixando sua marca cultural e mesclando-se com os povos aborígenes, os berberes, os povos das montanhas, que nada têm a ver com os árabes, embora também sejam muçulmanos.

As coloridas e lindas babouches, sapatilhas de couro unissex, na medina de Marrakech

As coloridas e lindas babouches, sapatilhas de couro unissex, na medina de Marrakech

Em razão desse mix cultural, o povo marroquino é muito flexível e hospitaleiro ao receber os turistas, tanto na comunicação e quanto na culinária, que mescla os sabores de todos os povos que já passaram pela região. Essa flexibilidade também se reflete na geografia do país! Em apenas um dia de carro, é possível visitar paisagens com climas amenos, como na Suíça, e dormir com a abóboda celestial estreladinha no meio do deserto do Saara, passando por montanhas imponentes e maravilhosas, de deixar qualquer fotógrafo extasiado!

O país tem praias dignas de bons surfistas (Sidi Kaouiki, Sidi Ifni e Dar-Bouazza), montanhas nevadas para prática do esqui (Oukaïmeden, Mischiliffen e Azrou), montanhas perfeitas para o trekking (Jebel Toubkal – 4.167m, a maior do norte da África), tem um pedacinho do maior deserto do mundo – o Saara (Merzouga), tem verdadeiros oásis (Vales dos rios Draa e do Ziz), tem cabras em cima das árvores (Caminho Marrakech-Essaouira) e, é claro, tem o mundo árabe, com suas medinas (cidades antigas), medersas (escolas do Alcorão), souks (mercados), Hammams (saunas) e casbás (velhos castelos ou fortes militares).

Ifrane – no Médio-Atlas. Não, não estamos na Suíça.

Ifrane – no Médio-Atlas. Não, não estamos na Suíça.

Partindo para a noite no acampamento de beduínos, no meio do deserto do Saara.

Partindo para a noite no acampamento de beduínos, no meio do deserto do Saara.

Vale do Jebel (montanha) Ourika, ideal para caminhadas nas montanhas.

Vale do Jebel (montanha) Ourika, ideal para caminhadas nas montanhas.

Salto no vale do rio Ziz, próximo ao oásis, com a vestimenta tradicional do povo do deserto.

Salto no vale do rio Ziz, próximo ao oásis, com a vestimenta tradicional do povo do deserto.

Cabras que sobem nas árvores em busca do argan, uma amêndoa bem oleosa febre atual da indústria cosmética.

Cabras que sobem nas árvores em busca do argan, uma amêndoa bem oleosa febre atual da indústria cosmética.

O reino do Marrocos, uma monarquia parlamentarista, é governado pela sua Majestade, o Rei Mohamed VI, desde 1999, quando sucedeu o seu pai, o tirânico Rei Hassan II. Ele é jovem, tem uma política de modernização do país, e é verdadeiramente adorado por grande parte de seus súditos. Em 2011, depois do início de protestos relacionados à Primavera Árabe no país, ele promoveu uma reforma constitucional, na qual parte dos seus poderes foram transferidos para o Parlamento, e foi assegurada maior independência para o Poder Judiciário. Isso, todavia, não impediu que os protestos prosseguissem, os quais tinham como bandeira a melhoria das condições econômicas e o combate à corrupção. Ademais, mesmo com as reformas, os seus poderes continuam muito grandes, e, sem dúvida, é ele que está no comando do Estado. Tudo isso não impede que os marroquinos continuem a adorar o seu rei, pois, embora considerem os políticos corruptos e preocupados apenas com os seus interesses (não disse que o Marrocos não era tão longe do Brasil?) enxergam Mohamed VI como trabalhador, justo, valorizador dos princípios familiares e econômico, pois não esbanja dinheiro com festas e esposas, apesar de ser a pessoa mais rica do país, e um dos mais ricos do mundo. Apesar de o Islã ser a religião oficial, e de o Alcorão permitir ao homem ter até quatro esposas,  Mohamed VI só tem uma mulher, a Rainha Lalla Salma. Também ela é adorada pelo povo, não só pelo seu carisma, mas também por ser educada – ela é formada em análise de sistemas – e engajada nos projetos sociais.

Família real marroquina, constituída pelo Rei Mohammed VI, pela Rainha Lalla Salma e filhos. É muito comum encontrar a foto da família real em todos os lugares do país!

Família real marroquina, constituída pelo Rei Mohammed VI, pela Rainha Lalla Salma e filhos. É muito comum encontrar a foto da família real em todos os lugares do país!

Se você está pensando em tirar férias e ainda não tem um destino definido, o Marrocos é uma boa pedida, pois além de variadas paisagens e programações, a passagem aérea não é muito cara, a comida é agradável ao paladar latino e os marroquinos são bastante comunicáveis, pois, em geral, eles falam no idioma que você quiser! Para quem tem filhos, o país também não apresenta muitas dificuldades e tenho certeza de que os pequenos adorarão a experiência de andar a camelo, dormir no deserto, comer tâmaras, passear nas medinas!

Além disso, o Marrocos é ideal para quem quer se aproximar do mundo árabe! Quando se chega ao aeroporto, já é possível avistar as pessoas vestidas de túnicas, mulheres com os corpos e os rostos cobertos, a paisagem das medinas, as mesquitas e escutar os Muezzins, os responsáveis por gritar em cima dos minaretes (torres das mesquitas) para lembrar os fiéis muçulmanos de cada uma das orações diária, cinco vezes ao dia. Ao longo da viagem, você se acostumará a acordar às 5h00 da manhã, com o chamado deles. Na verdade, é maravilhosa a sensação de estar imerso a uma cultura tão diferente do que conhecemos!

O país tem grande maioria muçulmana, o que é percebido na arquitetura, na cultura e no modo de vida da população. Contudo, o povo é constituído, basicamente, por berberes, povos aborígenes das montanhas do Atlas, e pelos árabes, fato que faz dos idiomas oficiais do país o berbere, o árabe e o francês. Esse último se deve à última dominação do país pelos franceses, durante a primeira metano do Século XX. O relacionamento entre os berberes e os árabes é amistoso e grande parte da população é capaz de falar os três idiomas, no mínimo. Por conta dessa mistura entre os árabes e os berberes, o islamismo no Marrocos ganhou matizes diferenciadas em relação ao resto do mundo árabe. Apesar de doutrinariamente, no Islã, não existir o culto a homens santos, é possível encontrar os Marabouts, construções dedicadas a santos, ricamente decoradas, decorrentes de cultos berberes.

Túnica básica dos homens no Marrocos

Túnica básica dos homens no Marrocos

Doces, tâmaras, delícias na Medina de Fes

Doces, tâmaras, delícias na Medina de Fes.

Em frente ao minarete da incrível Mesquita Hassan II, construída parcialmente em cima do mar.

Em frente ao minarete da incrível Mesquita Hassan II, construída parcialmente em cima do mar.

Bebida nacional: o chá de hortelã

Bebida nacional: o chá de hortelã.

Conforme se observa no mapa acima, o Marrocos é constituído de sete regiões: o Alto Atlas, o Médio Atlas, o Anti-Atlas, a Costa do Atlântico Sul, a Costa do Atlântico Norte, o Mediterrâneo e o Saara. Dessas, visitamos, em treze dias, seis e deixamos a parte do Mediterrâneo para uma próxima aventura. A melhor maneira de otimizar o tempo e desfrutar das lindas paisagens do interior do país e ao mesmo tempo de conforto é contratar um roteiro que, geralmente, garante hospedagem, um bom veículo 4X4 e um motorista-guia, fundamental!

Os roteiros mais completos e tradicionais incluem, basicamente, as seguintes cidades/atrações: Casablanca, Rabat, Meknes, Volubilis, Fes, Ifrane, Midelt, Errachidia, Erfoud, Erg Chebbi, Merzouga, Rissani, Todra e Dada Gorges, Skoura, Ouarzazate, Ait Benhaddou, Telovet, Tizi n Tichka, Marrakech e Essauoria, as quais abrangem praticamente as seis regiões que visitamos. Naturalmente, é possível personalizar a viagem conforme o interesse de cada um, para incluir, por exemplo, as cidades mediterrâneas, como Tangir. Para seguir esse roteiro, gastamos treze dias, em um ritmo adequado para curtir todas as atrações sem correria ou estresse, e ainda tirar muitas fotografias. As estradas no Marrocos têm uma conservação  que varia de razoável a boa, e quase não vimos acidentes de trânsito ou engarrafamentos. Além disso, viajar de carro foi muito proveitoso porque podemos observar claramente a mudança da vegetação e do clima e parar onde queríamos para admirar a vastidão dos desertos do Marrocos.

Nosso hotel em Ouarzazate, em forma de Casbá - uma fortificação militar. Conforto e cultura!

Nosso hotel em Ouarzazate, em forma de Casbá – uma fortificação militar. Conforto e cultura!

Naja, na incrível Djemaa el-Fna - uma das feira mais incrível do mundo árabe, em Marrakech.

Naja, na incrível Djemaa el-Fna – uma das feira mais incrível do mundo árabe, em Marrakech.

Uma das maravilhosas vistas a partir da viagem de carro. Oásis - Vale do rio Ziz.

Uma das maravilhosas vistas a partir da viagem de carro. Oásis – Vale do rio Ziz.

Aproveitar a estada no Marrocos e conhecer suas diferentes regiões é uma experiência incrível de imersão cultural onde se pode perceber, claramente, a variação da arquitetura e da culinária. Cada cidade ou região, além de possuir dialetos próprios, tem também formas diferentes de se construir as casas e preparar o tajine e o couscous, pratos nacionais.

Na cultura muçulmana, as demonstrações de riqueza exterior e ostentações não são muito comuns, o que é visualizado nas vestimentas dos homens e mulheres e também nas residências dos marroquinos. Os mais bem aventurados economicamente costumam viver em Riads, que em árabe, significa jardim. Pelo lado de fora, as casas são feias e ninguém imagina o palácio que está em seu interior, rico e detalhadamente decorado. Quem assistiu à novela “O Clone”, da Rede Globo (2001/2002) vai se lembrar da casa do personagem “Tio Ali”, em Fes. Quase um palácio de conforto no interior e, no exterior, ninguém imaginava que se tratava  de uma mansão. Você pode ter a experiência de dormir em Riads, que, aliás, recomendo muito. Há vários deles, para todos os gostos e bolsos. Procure os situados no meio das medinas das cidades (parte antiga) e, de preferência, aqueles gerenciados por franceses, porque a mistura da culinária francesa com a marroquina é maravilhosa. Tenho certeza de que você não vai se arrepender.

Interessante também é observar que em cada região há um jeito diferente de se construir os Riads. Nas cidades mais praianas, a decoração é mais leve e clara. Já em Fes e Marrakech, a decoração é mais tradicional com detalhes incríveis de talhamento da madeira dos tetos e paredes.

Riad em Rabat.

Riad em Rabat.

Maravilhoso Riad em Fes.

Maravilhoso Riad em Fes.

Riad em Fes

Riad na cidade praiana Essaouira.

Riad na cidade praiana Essaouira.

Gostou da amostra? Não se preocupe que faremos mais post detalhando a cultura, as atrações e nossas aventuras em cada região do país! Garanto que esse país maravilhoso conquistará você também!

Essaouira, praia com camelos!

Essaouira, praia com camelos!

Completamente deslumbrada nas enormes gargantas Dades!

Completamente deslumbrada nas enormes gargantas Dades!

8 comentários

1 menção

Pular para o formulário de comentário

  1. Arlindo

    Mas acabou??? Tenho certeza que você tem muito mais PÓLEN para disseminar…Esperamos que fale mais sobre Marrocos.

    1. Cyntia

      Essa foi só uma palhinha, papi! Logo, logo, teremos mais! Bjão

  2. Aline.

    Oi Cyntia!!
    Adorei o blog!!!
    Parabéns!!!!! 🙂
    Aline.

    1. Cyntia

      Obrigada, Aline! Bjus!

  3. Alexandre Marques

    Show de bola o blog. Coisa de “caxeiro viajante” profissional. Muito qualidade na descricao e nas fotos selecionadas. Aquela foto das cabras em cima da arvore e’ impagavavel. Um beijo para o “casal viajante”.

    1. Cyntia

      Muito obrigada, Alexandre! Logo faremos um post só sobre essas cabrinhas!! kkkk

  4. melissa loei

    Eheheh adorei o Marrocos e um dos lugares q quero ir,depois me fala se vcs foram de agência ou qq coisa pois mule sozinha não e muito legal de viajar por essas bandas,quer dizer eu penso que não mas de repente… Parabéns pelo blog ta demais. ;))

    1. Cyntia

      Querida Melissa!
      O Marrocos é tudo de bom e posso dizer que é o país muçulmano mais fácil para uma mulher viajar sozinha! Fomos com uma agência que eu super recomendo, fala com o Christian, da suntrails – http://www.sun-trails.com – eles ajustam o tour conforme o gosto! Escolha o querido Mustafá como guia e motorista! Você vai amar!

  1. Filmes para viajar: Babel - Borboletando por aí

    […] Babel traz quatro dramas interconectados, cada um em um canto do mundo (Estados Unidos, México, Marrocos e Japão), que tratam precisamente da dificuldade de se comunicar e de se fazer entender, não só […]

E o que você achou dessa viagem? Não deixe de compartilhar com a gente as suas impressões!